Atendimento: (62) 3924-0077 / 3924-2888

INOVAÇÕES EM TÉCNICAS PARA TRATAMENTOS DE LIPODISTROFIA GINOIDE

INOVAÇÕES EM TÉCNICAS PARA TRATAMENTOS DE LIPODISTROFIA GINOIDE

INNOVATIONS IN TECHNIQUES FOR TREATMENTS OF LYMPHYSTROPHY GINOIDE

Leyla Dias Tavares Ferreira¹

Carla Simone Binz²

¹ Pós-Graduada em Estética Facial e Corporal – Habilitação Clínica e Docência da EUROAMÉRICA – Instituto Técnico Profissional

² Especialista em Cosmetologia. Orientador da Pesquisa.

RESUMO: A celulite acomete principalmente mulheres, podendo acarretar a síndrome da desarmonia corporal, principalmente pelo fato dos padrões de beleza imposto pela mídia. Com tudo, as empresas de cosméticos e fabricação de aparelhos tiveram o seu grande crescimento na área da estética, pois as procuras nos centros estéticos aumentaram consideravelmente, e sabendo-se que a busca por resultados de técnicas não invasivas aumentaram, tiveram a sua corrida contra o tempo para melhorar e aprimorar os mesmos. É necessário ressaltar que sua exata etiologia é desconhecida, mas sabemos que existem fatores genéticos, emocionais, metabólicos, hormonais, idade, sexo, hipertensão arterial, obesidade, e hábitos de vida que predispõem o aumento da mesma. Estudar e saber a fisiologia são fundamentais para um tratamento com resultados.

 

Palavras-chave: Celulite, Estética, Padrões de Beleza.

ABSTRACT: Cellulitis mainly affects women, and can lead to the syndrome of bodily disharmony, mainly due to the beauty standards imposed by the media. In all, cosmetic and appliance manufacturing companies had great growth in the area of ​​aesthetics, as the demands in the aesthetic centers increased considerably, and knowing that the search for results of non-invasive techniques increased, they had their race against the time to improve and improve them. It is necessary to emphasize that its exact aetiology is unknown, but we know that there are genetic, emotional, metabolic, hormonal factors, age, sex, arterial hypertension, obesity, and life habits that predispose its increase. Studying and knowing physiology are fundamental to a treatment with results.

 

KEY-WORDS: Cellulite, Esthetics, Beauty Pattern.

 1. INTRODUÇÃO

Em 1920 foi descrito pela primeira vez o termo celulite, mas com os tempo e estudos foi verificado que esse não seria o termo mais adequado, pois a derivação da palavra significa que há inflamação celular e nos estudos não foram encontrados sinais de inflamação nos tecidos em questão. É caracterizada como uma distrofia celular complexa, acompanhada de alterações do metabolismo hídrico, resultando em uma saturação do tecido conjuntivo (DAVID et al, 2011), manifestada em forma de nódulos ou placas de variadas extensões e localizações, podendo também, desenvolver problemas álgicos na áreas atingidas (COSTA et al, 2012).

A predominância é em mulheres em regiões pélvica, membros inferiores e abdômen, podendo aparecer em qualquer região do corpo, exceto em couro cabeludo, mãos e pés. Sua maior característica conhecida é o aspecto ‘casca de laranja’ (DAVID et al, 2011).

O conjunto de alterações estéticas, como a celulite, gordura localizada, flacidez muscular e tissular e aumento de gordura total, alteram a imagem corporal da mulher, que pode ser também chamado de síndrome da desarmonia corporal (SDC) (ROCHA, 2013)

Terra et al (2009) classifica lipodistrofia ginoide (LG) em 4 estágios:

Grau 1: assintomático, não se observa alterações clínicas, somente histopatológicas (espessamento da camada areolar, aumento da permeabilidade capilar, micro hemorragias e micro aneurismas fisiformes nas vênulas pós capilares;

Grau 2: depressões já são visíveis e ficam ainda mais aparentes com a compressão dos tecidos;

Grau 3: já apresenta o aspecto ´casca de laranja´ na inspeção estática, as fibras dos tecidos conjuntivos estão quase todas danificadas;

Grau 4: idem do grau 3 e presença de nódulos palpáveis, visíveis e dolorosos.

Apesar de não ser considerada uma condição completamente patológica, podem provocar o surgimento de algumas pelo fato de causarem perturbações estéticas, sendo elas de ordem psicossocial, principalmente pelo padrão estético imposto pela sociedade (DAVID et al, 2011). Com essa ameaça a integridade visual do indivíduo nota-se o aumento de mulheres em busca de terapias que visam minimizar as disfunções estéticas, sendo grande a procura por diversos tipos de tratamentos estéticos, práticas de atividades físicas e melhora na alimentação (ROCHA, 2013).

Devido ao aumento da procura, principalmente do público feminino pela estética, tornou-se necessário uma revolução da indústria de cosméticos e aparelhos para melhorar resultados e tratamentos (COSTA et al, 2012). Dentre as tecnologias não invasivas temos radiofrequência, ultrassom, entres outros (ROCHA, 2013).

Diversas são as formas de tratamentos existentes com base nas literaturas, mas é imprescindível ter um entendimento fisiológico da doença e os fatores que podem estar contribuindo para o surgimento da mesma para que seja estabelecido um melhor protocolo reduzindo assim a fisiologia do organismo. Devemos também dar importância ao tratamento de uma equipe multidisciplinar, devido a sua etiologia multifatorial (DAVID et al, 2011).

  1. METODOLOGIA

Este trabalho constitui-se em uma revisão bibliográfica, realizada através de pesquisas nas principais bases de dados em saúde, sendo PUBMED / MEDLINE, Scielo, e revistas científicas no período de 2008 a 2018 utilizando-se como unitermos as palavras: celulite, lipodistrofia ginoide, atualizações estéticas e inovações tanto em português como em inglês. Os mesmos termos foram utilizados como palavras-chave no Google Acadêmico, sendo encontrados artigos em sites de universidades coincidentes com o trema proposto.

A análise dos resultados consiste em uma pesquisa de origem secundária do tipo exploratória, a partir dos estudos encontrados. Foram descartados artigos que não obtiveram relevância e coerência com o tema abordado.

  1. RESULTADOS E DISCUSSÕES

O objetivo desse estudo foi de analisar nos artigos encontrados os tipos existentes de tratamento da FEG, verificando a quais foram utilizadas, forma de tratamento, eficácia do tratamento, possíveis falhas e se ainda há necessidade de maiores assuntos acerca dos estudos.

Neste contexto, os artigos lidos foram selecionados criteriosamente e agrupados de acordo com a técnica utilizada, sendo elas:

9.1 Luz Intensa Pulsada (LIP)

Foi utilizado LIP (510-1200nm), associada a creme retinil palmitato em grupo e isolada em outro, foram realizadas sessões vez por semana, durante 12 semanas, em 20 voluntárias, a fluência utilizada foi de 8-14J/cm², de acordo com o fototipo e a tolerância de cada paciente. Em 60% das pacientes avaliaram melhora superior a 50% na FEG, não houve diferença clínica na ultrassonografia (USG) entre ambos os grupos; no grupo de uso do creme, houve uma manutenção da melhora a longo prazo. Os parâmetros de fluências energéticas foram muito amplas o que compromete as conclusões (COSTA, 2012).

9.2 LED

Realizado um estudo randomizado, duplo-cego, placebo-controlado, com uso tópico de creme fosfatidilcolina, associado ao LED, aplicados em uma coxa; na outra, utilizou-se placebo e LED, durante 3 meses. Realizada avaliação clínica, fotográfica e USG de todas as pacientes além de biópsia cutânea em 6 (0, 6 e 12 semanas).

Houve melhoria clínica da FEG e o USG mostraram diminuição de gordura e evaginação do tecido celular subcutâneo no grupo que utilizou creme; recidiva da FEG em algumas pacientes o que indica a importância de manutenção de tratamento. Não foi realizada avaliação final em todas as voluntárias (COSTA, 2012).

9.3 Radiofrequência (RF)

Os estudos apresentados não possuem caráter metodológico, não respeitando rigor científico, embora a maioria dos pacientes dos estudos apresentados alegarem melhora, mas sem confirmações científicas e se a melhora se sustenta a longo prazo (COSTA, 2012).

Segundo ROCHA (2013), encontrou dois estudos; o primeiro com RF unipolar, duas sessões com intervalos de dias, definindo energia e realizava três passagens de 30 segundos cada após 15 dias da segunda sessão, foi aplicado US no modo varredura, os pacientes reportaram melhoras clínicas do aspecto da FEG de 28% em 68% dos pacientes (nádegas e coxas). O segundo estudo foi randomizado, cego, realizado com 10 indivíduos com FEG grau 2 a 4 nas coxas, utilizado RF unipolar, 6 sessões unilaterais com intervalo de 2 semanas, houve melhora clinicamente visível após a 4 sessão.

No estudo de Bravo (2013) com utilização RF unipolar foi totalmente eficaz para melhora clínica e de aparência da FEG. Com a redução do número de herniações do tecido subcutâneo na derme e aumento da espessura dérmica, avaliados em US confirmam os efeitos clínicos encontrados, podendo afirmar que é um método seguro e eficaz, com resultados visíveis em apenas um mês após o tratamento.

9.4 Ultrassom

Tem sido desenvolvido para tratamento da FEG, apesar de já existirem estudos em andamento ainda há necessidade de estudos clínicos mais criteriosos e acompanhamento de longo prazo (COSTA, 2012). O que sabemos é que devido ao seu efeito mecânico nas células adipócitas, promovem aumento da atividade metabólica, induzindo o aumento da permeabilidade entre as células, sendo eficaz na redução de medidas (diminuição de gordura localizada) e FEG nas regiões de coxas, abdômen e nádegas (ROCHA, 2013; MENEZES, 2009).

9.5 Terapias tópicas e orais

Os ativos que contém cafeína (ação lipolítica); Ginkgo biloba (antioxidante, anti-inflatório e melhora da circulação periférica); Castanha da índia (anti-inflatório e antiedema); Centelha asiática (anti-inflatória); Uvas vermelhas ( antioxidantes e aumento da permeabilidade linfática); folhas e frutos de mamão e abacaxi (anti-inflamatório e antiedema) de uso tópicos são relatados em melhoria da FEG apesar de ser preciso maiores estudos com maiores fidedignidade (DAVID, 2011)

Foi verificado em dois estudos a utilização de Retinol à base de creme por 6 meses, ao final foi verificado a suavização dos aspectos da FEG durante o período de utilização, mas não houve relatos de melhoras a longa prazo e se após a interrupção da sua utilização as melhoras permaneceram. Do grupo da metilxantinas a mais utilizada é a cafeína, havendo falhas metodológicas devido ao pouco estudo a cerca do assunto (COSTA, 2012).

A mesoterapia é um método tradicional Europeu, com injeções intradérmicas com várias soluções e resultados cientificamente comprovados, mas em 2003 no Brasil a Anvisa proibiu a utilização de fosfatidilcolina, inviabilizando assim maiores estudos de comprovação científica (COSTA, 2012).

9.6 Manthus

Foi realizado estudos em mulheres, com testes específicos em glúteos, porção superiora e posterior de coxa, com teste de ‘casca de laranja’ positivo, teste de preensão com dor mais intensa em região anterior e lateral da coxa e na palpação houve presença de aderência e hipotermia (que é uma das características encontradas na FEG de grau mais avançados). Ao final de 6 sessões houve uma redução significativa da FEG grau 1 e 2, e melhora no aspecto da FEG grau 3, com intensificação dos resultados após o términa das sessões. Não foi realizado estudos posteriormente (COSTA, 2012).

9.7 Ondas de choque

Segundo COSTA (2012), foram encontrados 5 artigos utilizando ondas de choque para tratamento da FEG, sendo que um deles ainda não havia sido concluído, pois ainda era necessário mais 2 anos de estudos, outro se trata de um estudo clínico realizado com apenas uma paciente que ao exame histológico, pode-se verificar neocolagênese, formação de elastina na derme e subcutâneo, com espessamento desses dois tecidos, observou-se também um aumento na espessura da derme, e aumento na gordura subcutânea. Os outros três artigos apesar de apresentarem melhora no quadro da FEG, mas são estudos com pequenos números de voluntários, portanto ainda há necessidade de maiores estudos a fim de mostrar se essa terapia é mesmo eficaz.

9.8 Laser

Foi achado um estudo bastante promissor, utilizando laser Nd:YAG associado ao transplante autólogo de gordura, mas que se faz necessários estudos adicionais para que a técnica seja aperfeiçoada, e consolidar as conclusões nelas relatadas. A lipólise causada pelo laser tem a vantagem de induzir neocolagênese e estimular contração cutânea no pós-operatório (COSTA, 2012)

9.9 Endermologia

Os autores dos três estudos apresentados se mostram tendenciosos em demonstrar que o método é efetivo, mas nota-se, em todos, pouca melhora, estudos com poucas voluntárias, a descontinuidade das mesmas e grupo pequeno. Torna-se portanto extremamente necessário a utilização de estudos mais amplos, com padronização de resposta clínica (COSTA, 2012).

9.10 Carboxterapia

Embora o estudo encontrado tenha sido pra avaliar FEG, todo o resultado somente abordaram redução de peso, não falando sobre a FEG. A avaliação de US foi pouco descrita, apenas informando que houve evidências de diminuição da espessura subepidérmica após cinco sessões; faltaram análises de resultados, aferição de medias e o número de voluntários em cada grupo foram diferentes (COSTA, 2012).

  1. CONCLUSÃO

            Embora existam bastantes estudos em buscas de melhorias da FEG nenhuma dos encontrados foram realmente conclusivos para que se pudesse achar qual seria o tratamento mais apropriado e se a melhoria seria definitiva, ou teria que dar continuidade ao mesmo, verificando assim a necessidade de estudos mais específicos, rigorosos e acompanhamento dos indivíduos por um tempo após o tratamento em busca de verificar se a necessidade de uma continuidade ou não do mesmo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRAVO, B. S. F. et al. Tratamento da Lipodistrofia Ginoide com radiofrequência unipolar: avaliação clínica, laboratorial e ultrassonográfica. Surgical & Cosmetic Dermatology v.2 n.5 p.138-144, 2013.

CORDEIRO, D. V.; CARDOSO, M. P. C. O efeito do ultrassom terapêutico no tratamento do fibro edema gelóide. Disponível em: <http://www.novafisio.com.br/o-efeito-do-ultra-som-terapeutico-no-tratamento-do-fibro-edema-geloide/> Acesso em: out, 2018.

COSTA, A. et al. Lipodistrofia Ginoide e terapêutica clínica: análise crítica das publicações científicas disponíveis. Surgical & Cosmetic Dermatology v.1 n.4 p.64-75, 2012.

COSTA, D. M C.; FEITOSA, E. M.; JÚNIOR, I. S. Efeitos obtidos com aplicação de manthus no tratamento de fibro edema gelóide – FGE (celulite): estudo de caso. In: Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação, 2012.

CUNHA, M. G.; CUNHA, A. L .G; MACHADO, C. A. Fisiopatologia da lipodistrofia ginoide. Surgical & Cosmetic Dermatology v.2 n.7 p.98-103, 2015.

DAVID, R. B.; PAULA, R. F.; SCHNEIDER, A. P. Lipodistrofia ginoide: conceito, etiopatogenia e manejo nutricional. Revista Brasileira de Nutrição Clínica v.3 n.26 p. 202-206, 2011.

MENEZES, R. C.; SILVA. S. G.; RIBEIRO, E. R. Ultra-som no tratamento de fibro edema gelóide. Revista Inspirar v.1 n.1 p.9-13 , 2009.

QUENTEL, J. Tratamento de Celulite: combate a inflamação e proteção do colágeno. BIOTEC v.10 n.29 p.9, 2018.

ROCHA, L. O. Criotermolipólise: tecnologia não-invasiva para redução de medidas, remodelagem corporal, tratamento de celulite e flacidez cutânea. Revista Eletrônica de Fainor v.6 n.1 p.64-78, 2013.

SCHLEMPER, M.; FERREIRA, S.; BUENO, P. V. Tecidos inteligentes no tratamento do fibro edema gelóide.  Disponível em: <http://siaibib01.univali.br/pdf/Mayara%20Schlemper,%20Saara%20Ferreira.pdf> Acesso em: out. 2018.

TERRA, R. Q.; MININ, M. M.; CHORILI. M. Desenvolvimente e avaliação da estabilidade físico-química de formulação anticelulítica acrescida de lipossomas contendo sinefrina e cafeína. Revista Brasileira de Farmacologia v.4 n.90 p.303-308, 2009.

Receba novidades, cadastre-se.